CIRURGIAS RECONSTRUTORAS

A Cirurgia Plástica Reconstrutora atua em diversas doenças, síndromes e traumatismos, agudos ou crônicos, sempre visando a reabilitação e aprimoramento estético.

Clique abaixo e saiba mais sobre algumas dessas situações:

TRAUMATISMOS

Acidentes automobilísticos, quedas, acidentes motociclísticos, atropelamentos, acidentes domésticos,  mordeduras por cães, agressões, ferimentos oriundos das mais variadas circunstâncias podem vir a gerar uma lesão que muitas vezes requer os conhecimentos de um cirurgião plástico. Essa parte da reconstrução visa o ganho funcional (reabilitação) e o benefício estético.  

Inicialmente o paciente traumatizado e em estado grave é atendido em uma unidade de emergência, onde são realizadas manobras de ressuscitação para garantir a vida. Após realizado o atendimento inicial e o paciente ter saído de estado de vulnerabilidade de manutenção da vida, prossegue-se a investigação de lesões secundárias ao trauma, como fraturas, por exemplo. Nessa etapa do atendimento, o paciente realiza alguns exames de imagem específicos para cada caso. Se a suspeita for um traumatismo de face, por exemplo, solicita-se uma tomografia de crânio e face, além de possíveis radiografias, para investigação diagnóstica.

A partir da estabilização da vida, algumas cirurgias podem ser indicadas pelo cirurgião plástico, ainda na unidade de emergência. Ferimentos descolantes extensos de membros superiores e inferiores, fraturas de face complexas, perda de parte da pele e etc, são exemplos de situações em que o cirurgião plástico é acionado. 

Em casos de traumatismos, existem muitas diferentes condutas que podem ser seguidas e tudo dependerá do estado de saúde do doente naquele momento e da urgência cirúrgica. No geral, a intenção do cirurgião plástico é a de assegurar a viabilidade da pele e cobertura de estruturas internas, evitar ao máximo possíveis infecções, reduzir, se possível, cicatrizes e reabilitar funções futuras.

 

QUEIMADURAS

Diversos são os agentes que causam queimaduras. Entre os mais comuns estão o sol, o calor excessivo, o frio, o álcool, combustíveis em geral e produtos químicos. As queimaduras podem afligir o corpo humano em suas múltiplas partes, causando diversos tipos de ferimentos e sequelas futuras. Em uma situação de emergência, o paciente queimado é avaliado como um todo, seu estado hemodinâmico recuperado e o atendimento ocorre conforme se preconiza para um paciente politraumatizado. A gravidade da queimadura se mede através de sua extensão corporal e de sua profundidade e acometimento da pele e outros tecidos. 

O diagnóstico e atendimento do paciente queimado devem ser feitos preferencialmente com a presença de um cirurgião plástico, já que esse é o especialista com formação em atendimento e manejo das queimaduras. Além disso, o cirurgião plástico tem o conhecimento de discernir e conduzir os casos dos mais diferentes tipos de agentes causadores da queimadura.

O tratamento do paciente queimado varia para cada caso, principalmente por poder necessitar de internação a depender da classificação da queimadura e estado de saúde do doente. Para queimaduras menores, em que o paciente encontra-se estável, pode-se prescrever o tratamento com trocas de curativos com pomadas e cremes, além de placas de hidrocolóide no local. Casos mais graves vão necessitar de internação hospitalar para cirurgias, trocas de curativos em centro cirúrgico, acompanhamento médico e curativos específicos. O objetivo do cirurgião plástico é sempre minimizar sequelas funcionais de modo a visar sempre o melhor resultado estético possível para cada caso.

 

TUMORES CUTÂNEOS

É muito importante estar sempre olhando as manchas e "pintas" do corpo para detectar mudanças de cor ou aspecto das mesmas, ou mesmo notar "pintas" novas e em crescimento. O exame físico do seu cirurgião plástico e/ou dermatologista também são fundamentais para a detecção de lesões suspeitas. Lesões de pele suspeitas passam por uma biópsia cirúrgica e então a lesão é enviada ao patologista, que a investigará com o auxílio do microscópio. 

Dado o diagnóstico, cada tipo histológico diferente (cada tipo de tumor) deve ser conduzido de forma singular e especializada. Algumas vezes a própria biópsia retira toda a lesão, não necessitando procedimentos adicionais. Outras vezes, faz-se necessária a ampliação de margens cirúrgicas para segurança oncológica. Em outros casos, procedimentos específicos da oncologia ganham espaço no tratamento.

Em casos mais complexos, o cirurgião oncológico, ou o cirurgião de cabeça e pescoço, retiram a lesão e solicitam ao plástico que realize a reconstrução local. Nesses casos, podem ser necessários enxertos de pele, retalhos locais ou até mesmo retalhos microcirúrgicos ("transplante" de uma parte da pele do próprio paciente para cobrir o local da retirada do tumor).

 

O paciente se expõem ou se expôs muito ao sol, que tem histórico familiar de tumor de pele ou que já apresentou algum tipo de tumor de pele deve ter acompanhamento periódico com o médico dermatologista e cirurgião plástico.

 

FERIDAS COMPLEXAS

O cirurgião plástico é o médico que tem formação em cuidados e manejo de feridas. Muitas são as causas de ferimentos e essas podem ser agudas (lesões que cicatrizam em até 3 semanas) ou crônicas (com mais tempo do que 3 semanas e cicatrização demorada e deficiente).

 

As principais causas de ferimentos crônicos em extremidades são as insuficiências vasculares, tanto arteriais como venosas. Essas são as conhecidas "úlceras vasculares", isto é, de causa vascular, dos vasos. Nesses casos, o paciente deve seguir o acompanhamento também com o cirurgião vascular para medidas ambulatoriais e/ou cirúrgicas para melhora da vascularização das pernas. 

 

Além das insuficiências vasculares, existem doenças do metabolismo descontroladas (como o diabetes e a hipertensão), doenças infecciosas, doenças da cicatrização, hipovitaminoses, desnutrição, doenças da drenagem linfática e doenças oncológicas que explicam o aparecimento de feridas crônicas.

Cada ferimento deve ser tratado de forma individualizada e no geral são necessárias várias consultas de acompanhamento, trocas específicas de curativos, diversos tipos de cremes, pomadas, géis e placas, a depender a avaliação.

 

© 2018. Por Dr. Endrigo Bastos. Todos os direitos reservados.